Avançar para a área de conteúdo

Você sabia que o Deep Blue, servidor que derrotou o campeão mundial de xadrez, Garry Kasporov, foi desenvolvido com tecnologia Power

Em 1980 a IBM construiu o primeiro protótipo de computador com arquitetura RISK (Reduced Instruction Set Computer). Baseada em uma invenção do cientista John Cocke, do início dos anos 70, o conceito RISK simplificava as instruções fornecidas para operar computadores, tornando-os mais velozes e poderosos. Hoje, a arquitetura RISK está na base da maioria das estações de trabalho e servidores UNIX e é amplamente considerada como a arquitetura de computação dominante do futuro.

Power 1+ e Power 1++
Nos anos 90 a IBM lançou o POWER 1+ e o POWER 1++, família de supercomputadores baseados em microprocessador utilizando tecnologia RS/6000. A IBM inovou com a tecnologia de juntar múltiplos processadores de computação e dividir tarefas complexas e intensivas em dados para acelerar sua conclusão.

Power 2
A tecnologia avançou com o lançamento do POWER 2 Super Chip (ou P2SC), em 1993, uma implementação em apenas  um único chip que conseguia atingir 135 MHz. Esta versão foi empregada para a construção de um supercomputador de 30 cores – o Deep Blue, que foi capaz de derrotar o campeão mundial de xadrez , Garry Kasporov, em 1997. Durante a partida com Kasparov o computador processou em média 126 milhões de transações por segundo. O Deep Blue agora reside no Museu Nacional Smithsonian de História Americana em Washington, DC.

Power 3
Em 1998 foi lançando o POWER 3, o primeiro multiprocessador simétrico de 64-bits.  A tecnologia era capaz de executar até 2 bilhões de operações por segundo e era duas vezes mais poderoso do que o Super Chip POWER 2 dentro do supercomputador “Deep Blue” da IBM.

Power 4
Com um clock que rompeu a barreira de 1 Ghz, o POWER 4 foi lançando em 2001 ganhando o posto de chip mais poderoso do mercado e dando origem à tendência de chips multi-cores. Com capacidade super escalar, o servidor era capaz de executar mais de 200 instruções simultâneas. Antes da extinção desta linha, foi lançado o POWER 4+, que atingia velocidades de 1.9 Ghz e consumia muito menos energia que as versões anteriores.

Power 5
Em 2004 foi lançado o POWER 5. Com o controlador de memória e caches L1, L2 e L3 no próprio chip, o POWER 5 evitava a necessidade de outros chips. Um grande recurso implementado foi o de virtualização assistida por hardware, que permitia a execução de até 256 LPAR (Logical Partitions). Esta linha contou com mais uma versão, o POWER 5+, que possuía clocks de até 2.2 GHz, quatro cores por chips e um consumo bem menor de energia.

Power 6
A IBM inaugurou o POWER6 em 2007, o mais veloz microprocessador já construído. O servidor foi o primeiro a deter todos os quatro grandes recordes de velocidade para desempenhos técnicos e de negócios. Com 4.7 GHz, o processador POWER 6 dual core duplica a velocidade da geração anterior de POWER 5 ao mesmo tempo em que usava a mesma quantidade de eletricidade para operação e resfriamento. Isso significava que clientes poderiam usar o novo processador para ampliar seu desempenho em 100% ou reduzir seu consumo de energia praticamente pela metade.

Power 7
Hoje, 8 de fevereiro de 2010, IBM anuncia os novos sistemas POWER7™, desenvolvidos para gerenciar uma alta variedade de aplicativos, desde redes elétricas inteligentes até ferramentas de análise de dados em tempo real. O POWER7 é capaz de gerenciar milhões de transações simultâneas em tempo real e, em relação ao seu antecessor, o Power 6, os novos sistemas podem oferecer um desempenho até quatro vezes maior e capacidade de virtualização expandida – suporta 1.000 servidores virtuais ou “partições” em um único sistema.